O Terra e Mar

O Terra e Mar
Autor:
ARAÚJO, Carlos Cardeal de

ISBN: 978-85-67960-31-9 (impresso)
Ano de publicação: 2019
168 páginas

Como citar:
ABNT:
ARAÚJO, Carlos Cardeal de. O Terra e Mar. Sobral: SertãoCult, 2019.

APA: Araújo, C. C. de. (2019). O Terra e Mar. Sobral: SertãoCult.

Quer ler um pouquinho desta obra? Baixe sua degustação aqui!


O Terra e Mar: roteiros históricos e sentimentais de Camocim na obra de Carlos Cardeal
Autores:

SANTOS, Carlos Augusto Pereira dos
FIALHO, Petrília Paulini Pereira Sales

ISBN: 978-85-67960-32-6 (impresso)
Ano de publicação: 2019
62 páginas

Como citar:
ABNT:
SANTOS, Carlos Augusto Pereira dos; FIALHO, Petrília Paulini Pereira Sales. O Terra e Mar: roteiros históricos e sentimentais de Camocim na obra de Carlos Cardeal. Sobral: SertãoCult, 2019.

APA: Santos, C. A. P. dos & Fialho, P. P. P. S. (2019). O Terra e Mar: roteiros históricos e sentimentais de Camocim na obra de Carlos Cardeal . Sobral: SertãoCult.

Quer ler um pouquinho desta obra? Baixe sua degustação aqui!

PREFÁCIO À SEGUNDA EDIÇÃO

Carlos Cardeal de Araújo, através do romance O Terra e Mar, nos mostra Camocim de forma desnuda, sem maquiagem, porém com a beleza genuína que lhe é peculiar. Ressalta a grandiosidade, silêncio, paz e deslumbre do cenário que envolve a Pracinha do Amor, a encantadora balaustrada, o brilho do luar refletido nas águas serenas do Rio da Cruz, o fascínio das dunas e o mistério dos manguezais.

O enredo nos leva a prazerosos passeios pelo Farol Sem Nome, pelas praias das Barreiras, Canoas e ainda nos apresenta de forma detalhada as riquezas arquitetônicas da nossa Camocim, com ênfase na Igreja Matriz Bom Jesus dos Navegantes e suas relíquias sacras e pontos turísticos importantes da nossa orla marítima e entorno: Cais do Porto, Pensão Uruoca, Estação Ferroviária, Prefeitura Municipal, Praça do Coreto, Camocim Clube e Balneário Sport Clube.

Valoriza o costume cotidiano dos moradores na espera do trem e dos ônibus, mesmo sabendo que estes na ocasião não conduziam conhecidos ou parentes; a participação fervorosa dos fiéis nos novenários, arraiás, quermesses e leilões; a beleza e tradição da procissão de São Pedro, cuja data é feriado municipal; as eternas quizilas políticas; um dedinho de prosa e alguns acertos de contas no Mercado Público, onde é apreciado o cardápio regional.

Com muito humor, ironia e algumas gotas de sarcasmo, nos leva ao até então desconhecido e estigmatizado mundo da prostituição, onde além de bebidas para todos os gostos e bolsos, fala das danças de salão e coreografias criadas pelas meninas do Terra e Mar, jogos, costumes, truques, crendices, mitos e folclore. A requintada casa da luz vermelha era frequentada por diversas camadas sociais, incluindo os homens de branco, porém o público predominante são os pescadores e boêmios. Nesse ambiente de boa música, luzes, risos e prazeres é enfatizada a importância da lei e do respeito e, para o conhecimento de todos no cabaré, existia um código de ética que era expresso através da citação latina dura lex sed lex. Para seguir os rigores da lei são necessários sacrifícios, os lascivos homens frequentadores do bordel que o digam, pois quando se excediam eram imediatamente contidos pelo cáften com a expressão “aportuguesada” “lei dura, porém lei”. Nesse paradoxo, as mulheres são exploradas, diminuídas e ridicularizadas pelos rufiões, malandros e falsos moralistas.

Cardeal faz uma significante abordagem quando discorre sobre certos núcleos familiares, e através do comportamento dos seus personagens demonstra conhecimento sobre a pesca artesanal e suas dificuldades, o caos social das periferias, a favelização da vila dos pescadores e ainda os conflitos e mazelas sociais que assolam as comunidades desde sempre. Denuncia com maestria o latifúndio, oligarquias, traições, crimes, exploração, violência, desequilíbrio social e econômico.

Para abrilhantar e sacramentar com uma roupagem nova, O Terra e Mar conta com a brilhante contribuição da historiadora Petrília Paulinni Pereira Sales Fialho com o título: O Terra e Mar: Uma História do Profano em Camocim Ceará. 1940-1980.

O trabalho científico desperta doces lembranças e nos reporta a um grupo remanescente de mulheres residentes na vila do Terra e Mar na década de 1980, ocasião em que a Igreja Católica desenvolveu um trabalho social intitulado Ninho: a Pastoral da Mulher Marginalizada. As mulheres citadas na entrevista foram assistidas através das parcerias: Igreja, Prefeitura Municipal e Colônia de Pescadores Z1 de Camocim.

Petrília Paulinni Sales Fialho, com profissionalismo contribui para que as pessoas, movimentos históricos e acontecimentos importantes não entrem para o esquecimento e ainda possibilita agregar o aspecto real à ficção romanesca de Carlos Cardeal de Araújo.

Carlos Augusto Pereira dos Santos, com a bagagem de escritor, historiador e professor, acredita nos seus ideais e de forma altruísta empreendeu energias e construiu o projeto: O Terra e Mar. Roteiros Históricos e Sentimentais de Camocim na obra de Carlos Cardeal. O referido trabalho demandou tempo, custos, sensibilização dos gestores municipais e outros envolvidos.

A obra literária ora apresentada com certeza contemplará além dos adultos, também as crianças e os adolescentes, pois a proposta didática contribuirá para o crescimento e gosto pela literatura.

Carlos Augusto Pereira dos Santos, com grande conhecimento de causa e aproximação com a obra de Carlos Cardeal, emociona e revela aspectos da personalidade do escritor e seu humor escrachado, conforme palavras do próprio, e acima de tudo através do roteiro sugerido e playlist contidos no projeto, Carlos Augusto faz a coloração e dá sonoridade à obra.

Carlos Cardeal nos convida a reflexões permitindo a lembrança do lançamento da primeira edição de O Terra e Mar ocorrido há exatos trinta e um anos. Tempo esse, que se fosse um casamento, chamaríamos de bodas de madrepérolas, onde bodas significa promessa e compromisso. Dessa forma, sem sombra de dúvidas, fomos agraciados pelos escritores com uma linda, completa e eterna declaração de amor a Camocim.

Graça Cardeal