A Cidade Sobreposta

Organizadora:
BEZERRA, Ana Paula Gomes

ISBN: 978-65-87429-34-2 (e-book/pdf)
DOI: 10.35260/87429342-2020
Ano de publicação: 2020
260 páginas

Como citar:
ABNT: BEZERRA, Ana Paula Gomes (Org.). A cidade sobreposta: a cidade de Sobral através de sua materialidade. Sobral-CE: Editora SertãoCult, 2020.

APA: Bezerra, A. P. G. (Org.). A cidade sobreposta: a cidade de Sobral através de sua materialidade. Sobral-CE: Editora SertãoCult, 2020.

Baixe aqui o seu livro


APRESENTAÇÃO

Este livro tem como objetivo promover um diálogo entre profissionais de diferentes áreas do conhecimento, dentre eles historiadores, arqueólogos e arquitetos. Para tanto, primeiro apresentamos um bloco de entrevistas, no qual imaginei apresentar para o leitor as pessoas e trazer um pouco da sua relação com Sobral a partir de seus relatos, suas vivências e experiências. As questões tratadas com cada um dos entrevistados têm relação com sua experiência profissional, sua relação com a cidade e as atividades que desenvolvem. Foram entrevistados dois historiadores que nos falam de suas trajetórias, da sua relação com um dos equipamentos mais importantes da cidade, a Casa do Capitão-mor. Ambos foram estagiários e coordenadores do equipamento e falam um pouco da relevância da Casa para a História de Sobral, pois além de sua importância como patrimônio histórico, ela foi a primeira edificação escavada na cidade. E por último, um arquiteto, para contar um pouco sobre a expansão da cidade e sua trajetória na arquitetura.

O primeiro entrevistado foi o historiador Prof. Me. Edilberto Florêncio, que falou da sua trajetória, sua relação com a Casa do Capitão-mor e o desafio de trabalhar com patrimônio em meio à pandemia de covid 19. Edilberto iniciou sua trajetória como estagiário da casa e depois tornou-se seu coordenador, desenvolvendo atividades e ações de educação patrimonial, preservação do patrimônio arqueológico e pesquisa. Essa entrevista, embora esteja sendo apresentada na íntegra, conta apenas um pouco dessa relação entre o entrevistado, a Casa e o patrimônio de Sobral. A segunda entrevistada foi a historiadora Prof.ª Neyci Sotero, que falou sobre sua trajetória, sua experiência, sua forte relação com a Casa, da sua relação com arqueologia e museus, além de apresentar as ações de Educação Patrimonial da Casa. Neyci, junto com Edilberto Florêncio, coordenou o referido equipamento cultural e desenvolveu atividades aproximando a Casa da comunidade local. A terceira entrevista foi realizada com o arquiteto Prof. Me. Herbert Rocha, que nos contou sua trajetória, a relação entre a materialidade e a memória, e ainda sobre a expansão da cidade de Sobral.

O segundo bloco de entrevistas busca trazer um pouco de uma cidade a partir dos objetos, experiências e relatos a partir da arqueologia. Para tanto, foram entrevistados: a historiadora Kariny Almeida, que fala um pouco sobre sua trajetória até chegar à arqueologia, sua pesquisa e, sobretudo, sua relação com a cidade e a arqueologia. O historiador e futuro arqueólogo Sávio Barbosa discorre sobre sua experiência no campo da arqueologia, os desafios da Educação Patrimonial durante a pandemia e sua pesquisa. Sávio hoje cursa Arqueologia na UFPI (Universidade Federal do Piauí). O terceiro entrevistado deste bloco, o graduando em Ciências Sociais Renato Linhares, nos conta sua trajetória, as relações entre comunidade e pesquisadores durante a escavação realizada na cidade, as dificuldades de fazer uma socialização do conhecimento na pandemia e as estratégias utilizadas para minimizar essa distância ente a comunidade e a arqueologia. O quarto e último entrevistado, o arqueólogo Victor Hugo Tostes, descreve um pouco sua trajetória e relata sua passagem por Sobral e sua experiência em escavar na cidade.

Na terceira e última parte deste livro, o leitor pode percorrer a cidade e conhecer o patrimônio sonoro de Sobral com o historiador Dênis Melo, que nos apresenta uma cidade de afeto e memórias através do patrimônio sonoro da cidade. O segundo texto escrito pela historiadora e arqueóloga Ana Paula Gomes Bezerra aborda a civilidade e o comportamento de consumo da cidade de Sobral a partir da cultura material, entre os objetos expostos no Museu Dom José e os fragmentos que se encontram no acervo da Casa do Capitão-mor José de Xerez Furnas Uchoa.

Buscando aproximar o leitor da arqueologia, apresentam-se aqui dois relatórios, sendo que o primeiro, escrito pelos arqueólogos Marcos Albuquerque e Veleda Lucena, aborda o trabalho arqueológico realizado no Teatro São João, em 2002, onde foi possível identificar sua estrutura e assim realizar a obra de restauro. O último relatório foi escrito pelos arqueólogos Agnelo Queirós e Lucineide Marquis, que tratam dos resultados parciais obtidos durante o trabalho de arqueologia urbana realizado no Centro Histórico de Sobral nos anos de 2012/2013 e 2020.

Essa relação entre História, Arqueologia e Arquitetura é apresentada aqui. Convido os leitores a percorrerem as páginas deste livro e conhecerem a cidade de Sobral pelos olhos de diferentes profissionais. Este livro é financiado pela Chamada Pública 003/2020 – SECJEL com fundamento na Lei Federal 14.017/2020, Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural.

SUMÁRIO

Apresentação / 7

Parte 1 – História, memória e materialidade. As relações de pertencimento, História e afeto a partir da cidade

Entrevista com o Historiador Edilberto Florêncio, em 23 de novembro de 2020 / 13
Entrevista a historiadora Neycikele Sotero (Neyci Sotero), 24 de novembro de 2020 / 23
Entrevista com o Prof. Me. Herbert Rocha, em 21 de novembro de 2020 / 45

Parte 2 – Fragmentos da memória. Diferentes formas de sentir e perceber a cidade a partir da arqueologia

Entrevista com a historiadora Kariny Almeida, em 19 de novembro de 2020 / 57
Entrevista com o historiador Savio Barbosa, em 20 de novembro de 2020 / 71
Entrevista com o pesquisador Renato Linhares, em 20 de novembro de 2020 / 85
Entrevista com o arqueólogo Victor Hugo Gomes Tostes, em 29 de novembro de 2020 / 97

Parte 3 – Entre textos e relatórios. Uma Sobral sensorial, material e afetiva

Patrimônios sonoros do espaço público em Sobral-CE: alto-falantes e Rádio Coluna Imperator (1931-1977) / 103
Civilidade e consumo: a louça doméstica na Sobral oitocentista / 133
Relatório de Arqueologia do Teatro São João, em Sobral – 2020 / 161
Arqueologia Histórica e Urbana de Sobral-CE: redescobrindo camadas das histórias de uma cidade viva! / 221
Sobre os autores / 253