Coleção História e Historiografia Volume 6: Experiências Atlânticas e História Ambiental

Organizadora:
Kênia Sousa Rios

ISBN: 978-65-87429-58-8 (impresso)
ISBN: 978-65-87429-59-5 (e-book/pdf)
DOI: 10.35260/87429595-2020
Ano de publicação: 2020
548 páginas

Como citar:
ABNT: RIOS, Kênia Sousa (Org.). Experiências Atlânticas e História Ambiental. Coleção História e Historiografia, v. 6. Sobral-CE: Editora SertãoCult, 2020.

APA: Rios, K. S. (Org.). Experiências Atlânticas e História Ambiental. Coleção História e Historiografia, v. 6. Sobral-CE: Editora SertãoCult, 2020.

Baixe aqui o seu livro gratuitamente

Livro com artigos apresentados no VI Seminário Internacional História e Historiografia. Os trabalhos aqui reunidos fizeram parte dos Simpósios Temáticos “O Oitocentos na periferia do império: perspectivas em debate”, “O Mundo Atlântico: colonização, sertões e fronteiras (séculos XVI ao XIX)”, “História e Historiografia ambiental na Pan Amazônia” e “História, Natureza e Cultura: diálogos de fronteiras”. Do Sertão nordestino à floresta Amazônica, em tempos e espaços diversos, os temas se enredam pela constituição de fronteiras que se movem e de modo conflituoso, aproximam espaços distantes ao mesmo tempo que distanciam tempos aproximados.


SUMÁRIO

O Oitocentos na periferia do império: perspectivas em debate

A espetacularização da morte: enforcamentos de escravos no Ceará / 15
Anderson Coelho da Rocha
Territorialização do espaço da Freguesia de Sant’Ana pelos escravizados: São José de Mipibu, século XIX / 29
Clara Maria da Silva
O “estrangeirismo do barão” e os canteiros da repartição de obras públicas da Província de Pernambuco (1837-1850) / 43
Bruno Adriano Barros Alves
Política e fiscalidade na formação da tesouraria provincial em Pernambuco (1831-1840) / 59
Artur Gilberto Garcéa de Lacerda Rocha
Espaço urbano e manifestações religiosas populares na cidade de São Luís do Maranhão no final do oitocentos / 77
Thiago Lima dos Santos
Câmara da vila de índios de Monte-mor Novo: Atuação política indígena no início dos oitocentos / 89
João Paulo Peixoto Costa
Províncias, tipografias e a propagação do ideal de “liberdade” pelos confederados do norte em 1824 / 105
Francisco Weber Pinto Porfirio
“Tem a cor amarelada por uma hitirice”: a condição de saúde dos escravizados piauienses do século XIX / 125
Talyta Marjorie Lira Sousa Nepomuceno
Sociedade e instituições de assistência infantil no Maranhão oitocentista: os registros bibliográficos nas obras de Mário Martins
Meireles / 141
Rosyane de Moraes Martins Dutra
De moleque a capitão da Guarda Nacional: a trajetória de Antônio Rello de Paula Araújo / 153
Gustavo Alves Cardoso Moreira
Mulheres pobres em Fortaleza: habitus de viver e “polícia da família” no mundo do trabalho urbano, nas últimas décadas do século XIX / 173
Eylo Fagner Silva Rodrigues
“O comandante geral seria branco?”: O fim das milícias segregadas por cor na imprensa e no parlamento (1830-1834) / 191
Maria Clara Aredes de Figueiredo
Produtores, comerciantes e cossignatários: o comércio interprovincial / 207
Josenildo Américo Paulino

O Mundo Atlântico: colonização, sertões e fronteiras (séculos XVI ao XIX)

A medida da floresta: as viagens de exploração e demarcação pelo “País das Amazonas” (séculos XVII e XVIII) / 225
Janaina Valéria Pinto Camilo
As categorias de Kulturwissenschaft, Völkerpysycologie e Antropogeography da antropologia alemã na definição dos sertões do Norte em Capítulos de História Colonial de Capistrano de Abreu / 241
Almir Leal de Oliveira
Os usos do espaço na Amazônia atlântica: as fábricas reais / 257
Marina Hungria Nobre
Criação de novas capitanias e demarcação de fronteiras centrais e meridionais na América Portuguesa, século XVIII / 271
Mônica da Silva Ribeiro
Os rincões do Maranhão e as transformações na configuração da urbe de vilas e lugares (1757-1779) / 285
Felipe William dos Santos Silva
Ancestralidade judaica: a influência de reminiscências do período colonial na formação social de famílias do sertão cearense / 299
Maria Ednanda Rodrigues Lopes
Entre verbetes e canhões: os padres tapuitinga e a política pombalina na Amazônia portuguesa (1753-1757) / 311
Karl Heinz Arenz
Com fé, lei e rei: a organização do território jurisdicional do sertão do Piancó e as transformações em seu estatuto político ao longo do século XVIII / 329
Larissa Daniele Monteiro Lacerda
O Comércio das Drogas do sertão e o avanço pelo sertão amazônico (Século XVIII) / 347
André José Santos Pompeu
Os Correia Vieira e a ocupação espacial do Banabuiú/CE no século XVIII / 361
Áurea Regina de Araújo Ribeiro
Dois Estados em uma só colônia: conflitos de jurisdições e Formação Territorial nos Sertões do Norte (c. 1650 — c. 1700) / 379
Leonardo Cândido Rolim
Construção do sertão colonial no vale do Acaraú (1680-1758) / 397
Raimundo Nonato Rodrigues de Souza

História e Historiografia ambiental na Pan Amazônia

Da natureza dos espaços de fronteira nos escritos do Padre João Felippe Betendorf (séc. XVII) / 415
Antonio José Alves de Oliveira
O “tempo das águas” em Vila Bela colonial (1750-1777) / 427
Vanice Siqueira de Melo
“Natureza inconveniente, natureza peculiar”: Uma breve história da chuva na Belém da Belle Époque / 441
Kelvyn Werik Nascimento Gomes

História, Natureza e Cultura: diálogos de fronteiras

A natureza das regiões equinocais: Alexander Von Humboldt e a Geografia das plantas / 457
Diego Estevam Cavalcante
A cidade que habita as profundezas das águas…: apanhados historiográficos sobre Piranhas Velha, PB, na década de 1930 / 471
Ana Paula Cruz
Vidas (Re) Negadas: Zé Maria do Tomé e as implantações das políticas de morte no Perímetro Irrigada Jaguaribe-Apodi (1985 aos dias atuais) / 485
Luciana Meire Gomes Reges
Bicho solto, bicho preso: debates e políticas sobre os animais de criação no Cariri cearense (1850-1870) / 497
Hugo Eduardo Damasceno Cavalcante
Ciência e Imagem nas descrições botânicas de Francisco Freire Alemão / 511
José Felipe Oliveira da Silva
Natureza e Modernidade de Belém pela íris dum belga / 527
Tunai Rehm
Índice remissivo / 543

Confira os outros títulos da Coleção História e Historiografia